terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Um borrão sobre o papel


Eu escrevo o que não se pode calar. Escrevo o que se diz, o que se ouve, e também o que se silencia. Escrevo o que não se pode dizer, e o que a imaginação não diz. Escrevo e tudo o que se materializa para fora da minha mente ganha o mundo, vai além de mim e de si. Escrevo e tenho espanto do que eu escrevi. Horrores e maravilhas que pintei na minha frente. Apago, mas se pode apagar o que já se estampou na veia do mundo? Está tudo tatuado aqui: no avesso da minha pele, onde o sangue que emana das agulhas só retorna para mim. É a força pela fraqueza. Porque o que escrevi, rejeitado ou não, já é maior do que eu e meu silêncio de moralizações, conveniências, senso comum, esteticismos banais. O que eu escrevi está vivo e arde, e por mais que eu tente apagar me encara de frente e diz: dôo. E de doer eu rasgo a pele e os papéis. Mas o escrito não morre.

3 comentários:

Ph disse...

"Apago, mas se pode apagar o que já se estampou na veia do mundo? Está tudo tatuado aqui: no avesso da minha pele, onde o sangue que emana das agulhas só retorna para mim."

Depois disso não dá vontade de ler, ver ou ouvir mais nada. A gente para e o tudo para com a gente. Eu parei de ler aqui. Só consegui depois de um tempo.

Fernanda, tá tão perfeito que a gente fica sem ação. Tá infinito.
Acho q dá pra matar com esse texto.

Talvez eu não devesse comentar nada, o silêncio talvez falasse muito mais... não sei.

Bruna monteiro disse...

Acho q dá pra matar com esse texto.
[2] tá tão intenso, tão denso, tão vivo.

kevin21 disse...

Canada Goose Victoria

Canada Goose Camp Down

Discount Canada Goose Victoria

Kensington Canadian Goose

Canada Goose Montebello

Canada Goose Victoria Jacket For Women<